Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Os Textos

 


O Frade Genebro


Era uma vez um frade Franciscano chamado Genebro. O pobre homem decidiu toda a sua vida a praticar o bem e ajudar os outros.

Um dia, decidiu fazer uma viagem a pé e descalço. Durante a viagem viu restos de um castelo e lembrou-se de Frei Egídio e, então decidiu visita-lo. Ao chegar a casa do amigo encontrou-o muito doente. Ofereceu-se para o ajudar e o Frei Egídio disse-lhe que desejava comer porco. Frei Genebro lembrou-se de um rebanho que viu e foi até lá e cortou uma pata a um porquinho. Depois de fazer a vontade ao amigo continuou caminho.

Com o correr dos anos, Frei envelheceu e a sua hora chegou. Morreu e foi levado a uma balança, de um lado estavam todas as coisas boas que fez e que se transformava em flores, todos pensavam que ia para o paraíso quando derrepente o prato do mal começa a afundar-se e vê um porquinho com uma pata cortada.

A mão de Deus levou a alma de Frei Genebro para o purgatório.



O defunto


No ano de 1474 um cavaleiro chamado D. Rui de Cardenas que morava perto da Igreja de nossa senhora do Pilar, sua madrinha, e em frente de D. Afonso de Lara, casado com uma linda mulher, D. Leonor por quem D. Rui de Cardenas se apaixonou durante as visitas à Igreja D. Afonso de Lara ao saber desta paixão, ficou cheio de ciúmes e decidiu matar D. Rui. Para isso, foi com D. Leonor para a sua quinta em Cabril e lá obrigou-a escrever um bilhete falso a D. Rui, mandando um encontro entre os dois, D. Leonor ficou aflita e preocupada e pediu a Nossa Senhora do Pilar que protege-se D. Rui.

Ao ser o bilhete D. Rui pôs logo a caminho. Durante a viagem passou pelo cerro dos enforcados e aí um enforcado pediu para o acompanhar.

Chegamos à quinta, o enforcado roubou a capa e o chapéu a D. Rui e fez o que dizia no bilhete, subiu uma escada que ia ter ao quarto de D. Leonor mas quando ia entrar D. Afonso de Lara cravou uma adaga no peito do enforcado pensando que era D. Rui, que ao ver isto fugiu junto com o enforcado.

D. Afonso procurou o corpo mas não o encontrou e quando regressou à cidade viu D. Rui vivo, então ficou assustado e foi confessar-se. O capelão contou-lhe que um dos enforcados apareceu com uma adaga no corpo, D. Afonso ficou atormentado e, mais tarde acabou por morrer.

Assim, D. Leonor e D. Rui poderá casar-se e ser feliz.

publicado por secreting às 18:19
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ...

. ...

. "A carta"

. Texto do teste

. Resumo da aula de Terça- ...

. ...

. Poema "O Sofrimento"

. "O sabor da liberdade"

. O livro que estou a ler

. O dia mundial do livro

.arquivos

. Junho 2009

. Março 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Junho 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.links

Contador de visitas
Contador de visitas
blogs SAPO

.subscrever feeds